Publicado por: Raquel | julho 3, 2008

Esse estranho semelhante…

Meus  semelhantes me causam  certa  estranheza às vezes(eu também  devo causar e não  me 

 dar conta…)

 

 Há pessoas que falam, acusam, julgam sem ao menos  ter fundamento ou  comprovação do que 

falam, e quando recebem  resposta às “abobrinhas” que  regurgitam, simplesmente dizem: Não

quero papo. Fica na sua  e me  deixa  na  minha.

 

Pode-se analisar, talvez contestar uma situação dessas por vários pontos de vista.

Um deles seria a dinâmica da vida em sociedade, da qual não  podemos  fugir, a  não ser que 

nos transformemos em ermitões e  nos  isolemos em alguma  caverna nos  confins  do  NADA.

Mas, como Platão constatou, “O homem é um animal  político”. Precisamos seguir regras para

viver em grupos.

 

Sociologia – O convívio social nos obriga a exercitar a tolerância e, por  vezes,

nos força a uma homérica ginástica mental para tentarmos  entender o  raciocínio de  algumas 

pessoas que  agem e  argumentam sem  utilizar o  princípio básico de uma  argumentação, que 

é  a  LÓGICA. Temos de conviver e pronto. Ponto. Cabe a  cada  um  de nós lidar com  esse tipo de “semelhante” da  melhor  maneira  possível.

 

Biologia – Também poderia se levar em conta, fatores como idade, imaturidade, impulsividade,

mas eu não acredito que as pessoas melhorem ou muito de caráter ou de capacidade cognitiva

depois da adolescência. Portanto, se já passou da adolescência e continua um “poste”, sem

pensar no que fala, “antes de falar…” É caso perdido.

 

Física – “Toda ação causa uma reação em proporção igual de força”, acho que é isso, se

não for literalmente, é a idéia. Aí esbarramos mais uma vez no fato de que, por maior que

seja o esforço para quem não está habituado a usar o cérebro, deve-se PENSAR antes

de falar.

 

Por que  escrevi toda essa “pataquada”?!

 

Antropologia – Por  conta de  ter de  usar as  pedras que me  atiram para algo útil . Na verdade,

eu  como “animal político” que  sou, gostaria de  jogar as  pedras de  volta, mas  quando  a 

pessoa a quem elas deveriam voltar não tem “coordenação mental” sequer para recolher do

chão, achei que  seria mais compensador recolhê-las e transformá-las em  palavras. Pois pedras

eram utensílios usados pelos  trogloditas, e eu  já evoluí ao  menos alguns  milhões de  anos dessa época. Achei  melhor ignorar alguém que ainda  vive  na  Era  Pré-histórica e produzir  um texto

para o  meu  prazer  pessoal e dessa forma  me  livrar da angústia de  saber que não  há argumento lógico possível contra a  ignorância. O  melhor  é  mesmo IGNORAR

certos “semelhantes”.

 

E tenho  dito! 🙂

 

“… cantar  e cantar a  beleza  de ser  um  eterno  aprendiz…” (Julio Duran Corrientes)

Raquel.


Responses

  1. Belo pensamento…

    A moral, a ética, a cultura, a religião, o capitalismo (e tudo mais que não disse), são grandes influenciadores das massas. A reflexão é o meio através do qual me encontro, me localizo no meio desta massa… meu GPS. E quem não aceita refletir sobre o que diz precisa de alguém que pense por si.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: